5 sítios a não perder no México // parte 1

5 sítios a não perder no México

No final do mês de Abril fui de férias, e o local escolhido foi o México, mais precisamente a região de Riviera Maya.

Há muito tempo que queria visitar o México, gosto muito da comida, cultura e história deste país. Escolhemos ficar na zona do litoral, uma das zonas mais turísticas do México. Outra razão pela qual esta zona estava na minha travel list, era pela diversidade de coisas que podemos fazer, não vamos apenas para um resort e passar uns quantos dias aos sol e a comer.

Então comecei logo a planear os sítios que queria visitar, gosto de ter uma ideia do que podia fazer – claro que houve algumas coisas que não tivemos tempo para fazer. Tal como mencionado no post anterior, o hotel que escolhemos situava-se entre a Playa del Carmen e Tulum, era virado para uma estrada rápida e com fácil acesso a ambos os sítios.

Playa del Carmen

Playa Del Carmen

Uma pequena cidade com muito movimento, conhecida pela sua praia fantástica. A rede de ruas é geométrica, e os seus nomes eram número, as avenidas de 5 em 5 e as calles de 2 em 2. Andámos grande parte da cidade a pé. No segundo dia após termos chegado tínhamos de ir buscar o carro alugado à Playa del Carmen, então apanhámos o Colectivo – carrinhas com cerca de 15 lugares de preço mais baixo, normalmente usado por pessoas locais – que nos deixou a alguns quarteirões do local.

Já que estávamos pela zona decidimos comprar alguns recuerdos e explorar a tão famosa Quinta Avenida, onde podem encontrar Victoria’s Secret, Sephora (com marcas que ainda não chegaram a Portugal), Michael Kors, entre outras marcas conhecidas e muitas lojas locais. saliento uma loja de charutos feitos à mão e no momento, em frente ao centro comercial.

Playa del Carmen

Das duas vezes que estive na Playa del Carmen, a chuva fez-me companhia – apesar do calor de vez em quando lá vem uma meia hora de chuva. acaba por ser boa para nos refrescarmos e um óptimo ingrediente para histórias a contar aos netos.

A primeira chuvada que apanhámos veio em modo “surpresa” – tínhamos entrado para uma loja de recuerdos e quando nos estávamos a preparar para continuar caminho ficámos surpresos com a intensidade da chuva, uma meia hora que deixou a cidade inundada – tampas de esgoto levantadas e umas quantas coisas no chão, desde ramos de árvores a objectos que voavam das lojas.

A segunda visita à cidade foi para deixar o carro, era final de tarde e chovia! Foi neste dia que visitámos a praia, a água quente e um areal longo.

 

chichen Itza

Chichén Itzá

Quem vai à península de Yucatán não pode perder a hipótese de visitar uma das 7 maravilhas do Mundo – Chichén Itzá. Uma cidade arqueológica da cultura maia, a pirâmide mais conhecida é a Kukulcan – construída em honra do deus da água e do vento. É comum vermos as pessoas a testar o eco, e a ouvir um “rugir de jaguar”. Este local tem mais procura durante os equinócio de primavera e outono, nesse dia dá-se um fenómeno provocado pelo jogo de sombras, fazendo lembrar uma serpente cuja cabeça está feita em pedra no monumento.

Equinócio no Chichen Itza
Equinócio no Chichen Itzá
Fonte: www.seguindoviagem.com

Ao explorarmos a zona, vamos encontrando tantos outros locais cheios de história, como a Templo das Mil Colunas ou Templo dos Guerreiros, o Campo de Jogos e o Cenote Sagrado.

chichen Itza
Templo de Kukulcan – um dos tantos templos dedicados ao deus da água e do vento.

 

chichen Itza
Templo das Mil Colunas – usado como mercado popular e segundo alguns mitos também aconteciam sacrifícios.

 

chichen Itza
Cenote Sagrado – acredita-se que o povo maia “mandava” pessoas para este cenote na crença de enviá-las como oferendas aos deuses ou para uma vida melhor, nomeadamente mulheres e crianças.

 

chichen Itza
Campo de Jogos – este é o maior de todos os campos de bola mesoamericano conhecidos. O objectivo passava por acertar com uma bola (feita de borracha) no aro de pedra. Na civilização maia, o rei enfrentava prisioneiros de guerra, estes últimos no final era decapitados e há quem diga que o crânio servia de “base” para uma nova bola.

Por toda a cidade arqueológica é comum a existência de pequenas bancas com “recuerdos” locais, desde máscaras coloridas, a pequenas pirâmides – muitas destas peças são feitas à mão e é possível ver algumas pessoas locais a fazê-lo no momento. Pela experiência, aconselho sempre a negociar o preço e se levarmos pesos mexicanos ainda melhor. Figuras como o jaguar, águia e a serpente são frequentemente vistas, estão associados à protecção da família, sabedoria, poder, agilidade e saúde.

chichen Itza

Dicas: levar chapéu, protetor solar e água. Antes de entrar podemos pagar a um guia privado para nos acompanhar. Chegar cedo para evitar grandes filas, e da hora de maior calor.

 

Já visitaram o México? É um destino que querem visitar? Deixem a vossa experiência nos comentários.

Fiquem atentos que brevemente sairá a parte 2 deste artigo.

 

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.